sábado, 21 de janeiro de 2012

Calibre 22

Minha alma é uma arma
Minhas palavras são teu carma
Minha dor é seu pudor
Minha tosse é vossa posse
Meu suspiro é bala, é tiro!
Mas a arma disparou
(Contra seu peito que sangrou)
Minhas palavras foram ditas
(Você as ouviu em outra vida)
Minha dor doeu de vez
(Presenciei sua nudez)
E meu suspiro te matou
(Como o canhão que disparou)
Fujo de você sempre que der
Me escondo onde puder
Eu tenho medo de você
(Mas só meu olha já te desarma)

Nenhum comentário:

Postar um comentário