segunda-feira, 10 de agosto de 2009

Wordless


Era uma tarde chuvosa quando tudo aconteceu, ela me contou os seus problemas e eu não sabia como ajudar, tudo que eu dissesse poderia parecer insensível, de tudo o que ela poderia me perguntar aquela era a única questão que eu não sabia, a única resposta que eu não tinha, eu tentei continuar, mas não deu, eu juro que não consegui, eu estava sem palavras, e o silêncio foi a minha resposta, pode ter sido um grande erro, mas era a melhor opção que eu tinha, aí então eu fui embora, e não sei se ela vai voltar.

quarta-feira, 8 de julho de 2009

Descanse em Paz, meu amor.

Um leito de hospital cheio de aparelhos, tudo muito rápido, ninguém sabe como aconteceu, o olhar dela estava vazio, ela olhou pra ele uma última vez, e olhando nos olhos dele sentiu uma paz que niguém mais podia passar, então lembrou de como ela o conheceu, numa festa aquele estranho se tornaria a pessoa mais importante da vida dela, e ela a pessoa mais importante da vida dele, ela, também lembrou de todos os momentos felizes, então se abraçou nele com toda a força que tinha e disse:

-Tenho que te deixar agora e isso parte o meu coração, mas nada posso fazer, apenas me prometa que vai ser feliz.
-Mas você vai…
-Apenas prometa…
-Eu prometo!

E assim ela deu seu último suspiro confiante e feliz porque mesmo que não pudesse ser mais por causa dela, a felicidade dele a deixava contente. Eu escrevi isso pra tentar fazer as pessoas darem mais valor pra quem amam, ninguém sabe quando pode ser o último dia.

Tenham um dia cheio de cor.

quarta-feira, 1 de julho de 2009

Felicidade


Plena e insolúvel, eu te beijo ternamente com a minha mão na sua cintura enquanto você aperta minha nuca, corpos unidos como se fossem um só. E eu regresso pra casa com as mãos no bolso e o pensamento em você, segundos congelados no tempo, no espaço. Laços indestrutivéis, força maior que nos move, objeto do meu desejo hoje e sempre.
(Escrito por Mielev em parceria com C.Fly)
Tenham um dia cheio de cor.

quinta-feira, 21 de maio de 2009

Sobre tempo e Solidão

Tempo

Nenhuma palavra foi proferida, nenhum gesto foi feito, apenas olhares se encontravam no silêncio, olhares poderosos que se beijavam em pleno ar; Ninguém disse uma só palavra, mas nos rosto dos dois podia-se ler: “eu te amo” de forma clara e brilhante. Ele ama ela e ela ama ele, sem pressa, sem promessas ou falsas expectativas, sem pressão, apenas deixe que o tempo se encarregue e o destino os una.

Solidão

Ela me abraça
Ela me envolve
Ela me quer
Ela me absorve
Está sempre comigo
Nunca vai embora
As vezes saí por aí
Volta arrependida – chora
Eu não gosto dela
Acho que ela percebeu
Mas até que chegue o inverno
Seu amante serei eu.

CLS.
Tenham um dia cheio de cor

sexta-feira, 24 de abril de 2009

Londres, Maio de 89

Texto escrito por mim em parceria com minha amiga Joana Ribeiro.

Era uma segunda feira chuvosa quando tudo aconteceu, cada um seguiu seu rumo sem mais delongas, ele pegou sua moto e fugiu fazendo a velocidade de amante, o vento no seu rosto lhe fazia se sentir como uma criança...
Ela seguiu seu caminho, molhando suas sapatilhas com detalhes em cetim na fina chuva e na camada de neve que permanecia no chão cinza da antiga Londres. E ele olhava para o horizonte enquanto seguia para o cais com sua moto e sua jaqueta jeans, já ela lembrava que amava aquele céu e as águas calmas e generosas do rio Tâmisa. Sentindo a neve lhe tocar as mãos ele lembrou do seu beijo suave porém frio, que lhe arrancara a alma e os sonhos, e ela recordou de cada momento que de loucura e insensatez que ele a fez passar. E recordou-se com saudade, pois foram os momentos mais felizes de sua vida.

Parte II