terça-feira, 30 de novembro de 2010

A grande batalha.

Sempre que eu volto à minha cidade natal acontece algo grandioso que me faz refletir por uma semana. E assim foi sábado passado. Estava em uma festa da irmã de um amigo meu, muitos agitos, muitas polineses, muitos drinks. Mas aí então depois de horas de festa acontece algo inesperado, um cara que me odiava desde pequeno sem que eu pudesse saber por que, veio me cumprimentar e me tratou muito bem. Não sei se perdôo ou não, a questão não é essa. O ponto, é que, foi como se todo meu passado tivesse sido apagado, afinal essa era a única lembrança que faltava apagar. Essa semana resolvi enfrentar meus demônios, mas não sabia que isso ia chegar tão longe. No fundo, estou com medo do futuro, não sei o que está por vir agora que posso me reinventar por completo, sem alças que me liguem ao passado. Sou livre, muito mais livre que nunca. Agora é ver o que me espera, e seguir em frente, afinal... Guerra é guerra.

terça-feira, 9 de novembro de 2010

Misantropia

Quando era pequeno eu passava a maior parte do tempo sozinho lendo enciclopédias e coisas do gênero. O lado bom disso é que eu sou culturalmente rico e sei sobre coisas que você não imagina nem como se escreve, a parte "ruim" é que isso me gerou uma certa aversão à pessoas.
Você que me conhece deve achar que eu tenho medo de pessoas, mas você está errado: eu tenho desprezo pela humanidade. Na real, não entendo ela. Quando alguém me fala que está surpreso com um crime brutal eu imediamente penso: "Dã? Estamos falando de humanos, certo?"
Tá, mas você é um cara gentil, como pode dizer que odeia pessoas? Bem meus amigos, existe algo chamado educação e protocolo social. Talvez graças a isso tenho facilidade de cativar pessoas, mas demoro pra deixar elas entrarem na minha vida, quando deixo, simplesmente pelo fato de que eu não confio em ninguém, mas se eu for seu amigo, uma hora ou outra serei extremamente irônico com você, saiba disso.
Eu sei que por causa da minha educação muitas pessoas acham que podem me fazer de bobo, mas é graças à ela que quando tentam me enganar, me seguro pra não dizer: "Olha aqui seu imbecil, eu sou muito mais inteligente que você, e enquanto você vai dormir pensando sobre sua vida medíocre, eu penso sobre se acredito ou não na física quântica."
Claro que esse texto soa meio arrogante, mas num mundo onde as pessoas tem ídolos vazios e se matam por pedaços de metal e papel, talvez isso soe como uma linda sinfonia de Vivaldi.
Mas tudo que eu queria dizer realmente é: por trás desse cara reservado que parece até ser meio bobo existe um cara com opiniões fortes e posições bem definidas.

Tenham um dia cheio de cor.